História

 

A Paróquia de Santa Cruz situa-se praticamente no centro histórico da cidade de Coimbra e é uma das mais antigas de Portugal, pois os seus limites primitivos foram delimitados por Dom Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal, cujos restos mortais se encontram num mausoléu desta igreja.

Todo o seu território evoluiu ao longo dos séculos. A Igreja de Santa Cruz foi a primitiva sede da Ordem Religiosa denominada “Cónegos de Santo Agostinho de Santa Cruz de Coimbra”, também vulgarmente conhecidos como “Crúzios”, a quem D. Afonso Henriques, um dos co-fundadores da Igreja de Santa Cruz, confiou a respectiva paróquia. Esta, juntamente com outros territórios anexados, constituiu um “padroado” importante, tornado isento da jurisdição do Bispo de Coimbra, isto é, funcionando sujeita directamente à jurisdição do Santo Padre, o que ao longo dos séculos causou diversos embaraços.

O orago da Paróquia é São João Baptista e, ecleseasticamente, a Paróquia é ainda hoje conhecida como “Paróquia de São João Baptista de Santa Cruz de Coimbra” que teve, até 1910, como Igreja Paroquial, a Igreja de São João, hoje transformada ingloriamente no Café Santa Cruz junto à Igreja de Santa Cruz. Até à expulsão das ordens religiosas, funcionou exclusivamente como igreja conventual que abria ao público somente aos domingos e dias santificados ou por ocasiões especiais como visitas régias, etc.

Hoje, Monumento Nacional, a Igreja de Santa Cruz, infelizmente em acelerada decadência, é ainda rico repositório de arte que os Crúzios foram sucessivamente recolhendo.

A Igreja Paroquial tem hoje grande movimento litúrgico e grande procura de visitantes que desejam conhecer os Claustros do Silêncio (Gótico), a grandiosa Sacristia ou o Coro Alto e outras dependências, algumas das quais só é possível visitar com autorização muito especial, dada a degradação em que se encontra, é o caso da Capela das Relíquias denominada de SANTUÁRIO.

Para proporcionar um melhor aproveitamento da visita, existe um guia e um livro, profusamente ilustrado, denominado “Santa Cruz de Coimbra, Arte e História”, que podem ser adquiridos na Sacristia.

 

 

   


(as fotografias expostas são retiradas do livro "Santa Cruz de Coimbra, Arte e História" e são propriedade do seu autor referido no livro)